Entenda o teste de acuidade visual

O Teste de Acuidade Visual é um exame primário para detecção da capacidade funcional da visão. Faz parte do exame oftalmológico básico realizado na Clínica de Olhos Dr. Romeu Tolentino, e mede a capacidade da pessoa de ver nitidamente e sem esforço. Consiste em medir a capacidade de distinguir dois pontos próximos como elementos separados, o que corresponde à nitidez da visão e a sua observação.

É um teste subjetivo, já que a própria pessoa deve informar ao médico sobre o que vê e como o distingue. Embora possa recorrer a vários tipos de testes, o princípio é sempre o mesmo: deve-se mostrar ao paciente uma série de imagens de diferente tamanhos a uma determinada distância, normalmente cartões com letras ou figuras de formas e tamanhos diferentes, para se comprovar a capacidade de distinguir as diferentes figuras.

Para se avaliar a visão de longe, o padrão mais utilizado é a tabela de Snellen, constituída por letras de diferentes tamanhos, situadas numa série de linhas. As maiores na parte superior e as menores na inferior. Caso o paciente não saiba ler (por exemplo, uma criança), utilizamos figuras ou símbolos facilmente identificáveis. 

O exame é realizado com um olho de cada vez, cobrindo um dos olhos com a palma da mão, e depois trocando.

Para avaliar a acuidade visual de longe, o paciente deve estar a 5 ou 6m da gravura de modo a reconhecer os diferentes símbolos, dos maiores para os menores, até identificar todos ou não conseguir distingui-los bem. 

Quando o paciente consegue distinguir todos os símbolos, até os mais reduzidos, considera-se que a sua acuidade visual é de 10/10, ou seja, perfeita. Se o paciente chegar a algum ponto e não conseguir distinquir as imagens, algo extremamente habitual, deve-se comprovar se a visão melhora com a colocação de lentes de vários aumentos, até se determinar a graduação ideal para, por exemplo, se prescrever óculos ou lentes de contato.

Para se avaliar a acuidade visual de perto, realiza-se o mesmo procedimento, colocando a tabela a cerca de 30 cm do olho examinado. Caso se detecte uma insuficiência na capacidade para discriminar os símbolos mais pequenos, deve-se selecionar a graduação das lentes corretoras.

Quando detectada uma anomalia na acuidade visual o trabalhador deve realizar exame oftalmológico completo para detecção da alteração ocular presente, de modo a corrigir o problema. Na maioria das vezes o simples uso de óculos corrige as alterações, permitindo um grande benefício. Por tratar-se de solução simples, e de baixo custo, a detecção de alterações na acuidade visual tem sua importância cada vez mais reconhecida até mesmo pelos próprios trabalhadores.

Pequenas dificuldades na visão podem também ser responsáveis por cefaléia, dor de cabeça, cansaço, perda de concentração e diminuição no rendimento do trabalho, criando um ônus adicional com exames dispendioso em busca do agente etiológico, bem como faltas ao trabalho para consultas médicas.